SOS MATANÇA no banco millennium Angola do forno crematório nazi. Correr e fechar portas e janelas porque vem aí terríveis toneladas de fumo do gerador da morte horrível da engenharia criminosa dos tugas que tudo fazem para nos exterminarem para que consigam empregos. As crianças bebés morrem cancerosas dos pulmões porque o ordens superiores o ordenou. Em Luanda sem matar não se pode facturar. Os tugas têm que nos matar em todos os apartamentos nos gasear. É na rua rei Katyavala em frente à Angop

quinta-feira, 10 de Maio de 2012

Declaração do presidente americano sobre o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa


Canal de Opinião. por Barack Obama, presidente dos EUA
  
Pedimos a todos os governos que protejam a capacidade de jornalistas, blogueiros e dissidentes escreverem e falarem livremente sem represálias e que ponham fim a proibições de viagens e outras formas indiretas de censura para suprimir o exercício desses direitos universais.

Convocamos todos os governos para aproveitar essa promessa reconhecendo o papel vital da imprensa livre e adoptando as medidas necessárias para criar sociedades nas quais jornalistas independentes possam actuar livremente e sem medo.
Maputo (Canalmoz) – Neste Dia Mundial da Liberdade de Imprensa (03 de Maio de 2012), os Estados Unidos homenageiam o papel da imprensa livre na criação de democracias sustentáveis e sociedades prósperas. Prestamos um tributo especial àqueles jornalistas que sacrificaram a vida, a liberdade ou o bem-estar pessoal na busca da verdade e da justiça.
Sessenta anos depois de a Declaração Universal dos Direitos Humanos ter proclamado o direito de todas as pessoas “buscar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras”, esse direito continua em risco em muitos países.
Embora este ano tenha registrado alguns desenvolvimentos positivos, como a libertação de jornalistas junto com centenas de outros presos políticos na Birmânia, prisões arbitrárias e detenções de jornalistas continuam ocorrendo em todo o globo. Ao condenarmos detenções recentes de jornalistas como Mazen Darwish, um dos principais defensores da liberdade de expressão na Síria, e pedirmos sua imediata libertação, não podemos nos esquecer de outros, como o blogueiro Dieu Cay, cuja prisão em 2008 coincidiu com uma repressão maciça do jornalismo cidadão no Vietnam, ou do jornalista Dawit Isaak, que é mantido incomunicável pelo governo da Eritreia há mais de uma década sem acusação formal ou julgamento.
Ameaças e hostilizações, como as que sofreu o jornalista equatoriano César Ricaurte e a ativista da democracia exilada de Belarus Natalya Radzina, e censura indireta, inclusive por meio de restrições à liberdade de locomoção, como as que foram impostas à blogueira cubana Yoani Sanchez, continuam a ter um efeito inibidor à liberdade de expressão e de imprensa. Pedimos a todos os governos que protejam a capacidade de jornalistas, blogueiros e dissidentes escreverem e falarem livremente sem represálias e que ponham fim a proibições de viagens e outras formas indiretas de censura para suprimir o exercício desses direitos universais.
Em alguns casos, não são só os governos que ameaçam a liberdade de imprensa. Também são grupos criminosos, terroristas ou facções políticas. Não importa a causa, quando jornalistas são intimidados, atacados, presos ou desaparecem, as pessoas passam a praticar a autocensura, o medo substitui a verdade e todas as sociedades sofrem. Não se pode permitir que uma cultura de impunidade para tais ações persista em qualquer país.
Este ano, em todo o Oriente Médio, no Norte da África e em outros lugares, o mundo testemunhou não apenas esses riscos, mas também a promessa da imprensa livre para fomentar democracias inovadoras, bem-sucedidas e estáveis. Neste Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, convocamos todos os governos para aproveitar essa promessa reconhecendo o papel vital da imprensa livre e adotando as medidas necessárias para criar sociedades nas quais jornalistas independentes possam atuar livremente e sem medo. (Barack Obama, presidente dos Estados Unidos da América)

Sem comentários: